CONSIDERAÇÕES OPERACIONAIS PARA O GERENCIAMENTO DA COVID-19 NO SETOR DE HOTELARIA E ACOMODAÇÕES

Este documento é uma tradução do artigo Operational considerations for COVID-19 management in the accommodation sector da Organização Mundial da Saúde.

GERÊNCIA

PLANO DE AÇÃO

A equipe de gerenciamento, em consulta com a autoridade de saúde local, hotel, restaurante, buffets e associações de turismo, de administração e indústria devem estabelecer um plano de ação adaptado à situação e implementá-lo de acordo com as recomendações das autoridades locais e autoridades nacionais de saúde pública com o objetivo de prevenir casos, gerenciar efetivamente casos e mitigar o impacto entre clientes e funcionários, incluindo limpeza e desinfecção de quartos ocupados por pessoas doentes. O plano, que pode incorporar o teletrabalho, deve ser atualizado quando necessário como consequência de novas orientações, procedimentos ou regulamentos emitidos pelas autoridades.

MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS

A equipe de gerenciamento deve disponibilizar recursos humanos e econômicos suficientes para garantir que o plano de ação possa ser implementado de forma rápida e eficaz.
O plano de ação também deve incluir o fornecimento de equipamentos e procedimentos, desenvolvidos em colaboração com as autoridades sanitárias locais, para o gerenciamento de caso(s) suspeito(s) e seus possíveis contatos.

SUPERVISÃO

A implementação do plano de ação e a eficácia das medidas tomadas devem ser frequentemente avaliados para verificar a conformidade, identificar e corrigir lacunas e adaptar o plano à experiência prática.
Uma equipe de crise envolvendo membros de cada departamento pode apoiar a gerência na implementação do plano de ação e pontualidade na identificação dos ajustes necessários. É preciso estar atento a qualquer aumento incomum do absenteísmo do trabalhador, especialmente daqueles devido a infecções respiratórias agudas, possivelmente causado por COVID-19.

LOGBOOK DE AÇÕES

É aconselhável manter um logbook das ações e medidas adotadas e registrá-las com quantidade suficiente de detalhes (por exemplo, incluindo data e hora em que um desinfetante foi usado, por quem, onde etc.).
Este logbook poderá ser usado para melhorar as ações implementadas.

COMUNICAÇÃO

A comunicação deve ser mantida entre gerência e equipe, inclusive através dos gerentes responsáveis pelos diferentes departamentos, a fim de predefinir uma política de informações para os hóspedes, fornecendo e obtendo rapidamente informações sobre incidentes que possam surgir no estabelecimento e conhecer o status da situação em todos os momentos.
Fornecer diretrizes para a equipe sobre como eles devem comunicar o plano de ação para hóspedes e outras partes interessadas podem garantir o alinhamento e consistência.

Documentos curtos ou pôsteres informativos podem amplificar as principais mensagens entre hóspedes e funcionários, incluindo a promoção da lavagem das mãos (por pelo menos 20 segundos, todas as partes mão), higiene respiratória e etiqueta de tosse.
Folhetos oficiais sobre práticas básicas de higiene e sobre o COVID-19, em diferentes idiomas, pode ser uma útil ferramenta de informação.
É essencial ter uma lista atualizada dos contatos com informações dos funcionários, incluindo telefones de emergência.

TREINAMENTO E INFORMAÇÃO

A gerência deve informar todos os funcionários sobre as medidas a serem tomadas e as medidas que podem proteger sua saúde e dos outros, incluindo a recomendação de ficar em casa e procurar atendimento médico se tiver sintomas respiratórios, como tosse ou falta de ar.
A gerência deve organizar as informações e instruções que devem cobrir todas as medidas básicas de proteção contra o COVID-19 e os sinais e sintomas da doença.
Pode ser necessário treinamento para procedimentos específicos.

RECEPÇÃO E CONCIERGE

INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

Os funcionários da recepção devem ser suficientemente informados sobre COVID-19 para que eles possam realizar com segurança suas tarefas e impedir a possível disseminação de COVID-19 dentro do estabelecimento. Eles devem ser capazes de informar os hóspedes que perguntarem sobre a política do estabelecimento em termos de medidas preventivas, regras estabelecidas ou outros serviços que os hóspedes exigirem (por exemplo, serviços médicos e de farmácia disponíveis na área ou no próprio estabelecimento). Eles também devem aconselhar os hóspedes com sintomas de problemas respiratórios a permanecerem em seus quartos até que sejam examinados por um médico – que a gerência deve providenciar imediatamente – bem como fornecer recomendações básicas de higiene quando perguntados.

Funcionários da recepção devem tomar todas as precauções necessárias, incluindo distanciamento.
Informações oficiais e atualizadas devem estar disponíveis sobre viagens de e para países ou áreas onde o COVID-19 está se espalhando.

Os funcionários da recepção devem estar familiarizados com a política de ocupação de quartos para acompanhantes no caso de um suspeito de COVID-19.

A recepção deve ter disponíveis os números de telefone das autoridades sanitárias, centros médicos, hospitais públicos e privados e centros de assistência para uso sempre que houver a possibilidade de um hóspedes estar doente.

EQUIPAMENTOS NECESSÁRIOS E KIT MÉDICO

Embora o uso de máscaras não seja recomendado para o público como medida preventiva, mas apenas para quem está com sintomas de COVID-19 ou aqueles que cuidam deles, a recepção deve ter um kit médico que inclui os seguintes itens:
• Desinfetante germicida para limpeza de panos de limpeza de superfícies
• Máscaras faciais / máscaras oculares (separadas ou combinadas)
• Luvas (descartáveis)
• Avental de proteção (descartável)
• Macacão de mangas compridas (descartável)
• Saco descartável de resíduos de risco biológico

DISTANCIAMENTO SOCIAL, LIMPEZA DAS MÃOS E HIGIENE RESPIRATÓRIA

Medidas de distanciamento social, juntamente com higiene frequente das mãos e etiqueta respiratória, são as principais medidas para impedir a transmissão do COVID-19. Embora seja provável que os hóspedes já estejam familiarizados com essas medidas, eles devem ser lembrados como uma forma de hospitalidade.

• O distanciamento social inclui abster-se de abraços, beijos ou apertos de mãos dos hóspedes bem como entre funcionários. Compreende manter uma distância de pelo menos 1 metro dos outros hóspedes e funcionários e ficar longe de quem está tossindo ou espirrando.

• Higiene das mãos significa lavar regular e completamente as mãos com água e sabão por no mínimo 20 segundos ou limpá-las com uma solução à base de álcool desde que já estejam visivelmente limpas. Além disso evite tocar nos olhos, nariz e boca. A desinfecção das mãos é indicada sempre após a troca objetos (dinheiro, cartões de crédito) com os hóspedes.

• Etiqueta respiratória significa cobrir a boca nariz com cotovelo ou tecido dobrado quando tossindo ou espirrando. O tecido usado deve ser descartados imediatamente em uma lixeira com tampa.

MONITORAMENTO DE HÓSPEDES POTENCIALMENTE DOENTES

Ainda que respeitando os regulamentos em relação à proteção de dados pessoais e ao direito à privacidade, é aconselhável monitorar hóspedes potencialmente doentes no estabelecimento.

A equipe da recepção deve analisar todos os incidentes relevantes que chegarem ao seu conhecimento, como pedidos de assistência médica. Esta informação ajudará os hóspedes ao aconselhamento adequado, facilitando a detecção precoce e rápida gestão de casos suspeitos com as autoridades de saúde local.

A equipe da recepção deve tratar todas essas informações com critério, deixando a cargo da administração e dos serviços médicos a avaliação da situação e tomar as decisões apropriadas.

MANUTENÇÃO E TÉCNICA

Desinfecção da Água

É necessário manter a concentração de desinfetante na água para consumo e em piscinas ou spas dentro dos limites recomendados de acordo com normas e padrões internacionais, de preferência nos limites superiores do intervalo.

Lavagem de louças e equipamentos de lavanderia

O bom funcionamento do equipamento de lavagem da louça e de roupa (enxoval) deve ser verificado, principalmente as temperaturas, bem como a dosagem correta dos produtos químicos de limpeza e desinfecção.

Ar Condicionado

Embora o COVID-19 não seja transmitido pelo ar, mas de pessoa a pessoa através de pequenas gotículas do nariz ou da boca quando uma pessoa infectada tosse ou exala, deve ser dada atenção a estes equipamentos, como em circunstâncias normais, monitorando-se a condição dos filtros e mantendo-se a taxa de substituição adequada do ar interior.
O bom funcionamento da ventilação, troca de ar e equipamentos de desumidificação de piscinas cobertas deve ser verificado.

Dispensers

Devem ser realizadas verificações regulares para garantir o adequado funcionamento de dispensadores de sabão e solução desinfetante, secadores de mãos, dispensadores de tecidos descartáveis e outros dispositivos semelhantes. As unidades defeituosas devem ser rapidamente reparadas ou substituídas.
O plano de ação do hotel deve incluir a instalação de unidades para distribuir gel desinfetante nas diferentes áreas do hotel, incluindo os banheiros públicos usados pelos hóspedes e pelos funcionários e outras áreas de interesse (por exemplo, recepção, refeitório, restaurantes e bares).

A&B

Informação e Comunicação

Funcionários de A&B (restaurantes, cafés da manhã, salas de jantar e de bares) devem fazer os procedimentos de higiene pessoal de lavagem das mãos o mais frequentemente possível.
Os hóspedes devem ser lembrados sobre os procedimentos ao entrar e sair restaurante, café da manhã ou sala de jantar para desinfetar suas mãos com gel desinfetante, em dispenses de preferência localizados nas entradas para essas instalações.

Buffets e Máquinas de Bebidas

Nos buffets, os hóspedes devem evitar manusear os alimentos. Quando necessário, troque pinças e conchas com mais frequência, sempre deixando esses itens em recipientes separados. Limpe e desinfete as superfícies do buffet após cada serviço.
As máquinas de café, refrigerantes e outros, em particular as partes mais em contato com as mãos de usuários, devem ser limpos e desinfetados pelo menos cada serviço e com mais frequência, se necessário.

Lavagem de louças, talhares e toalhas de mesa

Os procedimentos padrão devem ser usados. Todos os pratos, talheres e copos devem ser lavados e desinfetados em uma máquina de lavar louça, incluindo itens que não foram utilizados, pois puderam estar contato com as mãos de hóspedes ou funcionários.
Se, por qualquer motivo, for necessária uma lavagem manual, os procedimentos padrão devem ser seguidos (lavar, desinfetar, enxaguar), ao nível máximo de precauções. A secagem deve ser realizada usando toalhas de papel descartáveis. Da mesma forma, toalhas de mesa e guardanapos devem ser lavados conforme procedimento padrão estabelecido pela gerência.

Configuração de mesas

Sempre que possível, é recomendável ter um máximo de 4 pessoas a cada 10 metros quadrados.
As mesas devem estar dispostas de modo que a distância da parte traseira de uma cadeira até o encosto de outra cadeira deve ser no mínimo de 1 metro e que os hóspedes também fiquem a uma distância de pelo menos 1 metro um do outro.

RECREAÇÃO

Embora as evidências atuais indiquem que a maioria das crianças parecem desenvolver sintomas respiratórios menos graves de COVID-19, há relatos de crianças infectadas com COVID-19 que desenvolveram doença grave ou crítica, e algumas crianças morreram. As pessoas responsáveis pelas crianças devem estar atentas a quaisquer sinais de doença respiratória e devem informar imediatamente os pais da criança e a gestão do hotel de tais circunstâncias.
Dependendo do contexto local, incluindo o número de crianças e instruções das autoridades nacionais de saúde, deve-se considerar o fechamento das áreas de lazer para crianças. Qualquer que seja o caso, protocolos de limpeza especial e desinfecção devem ser aplicados a essas instalações.

GOVERNANÇA E LIMPEZA

Limpeza e Desinfecção

Mesmo na ausência de casos de COVID-19 no estabelecimento, recomenda-se que os serviços de higiene sejam aprimorados. Consideração especial deve ser dada à aplicação de medidas de limpeza e desinfecção em áreas comuns (banheiros, corredores, elevadores, etc.) como medida preventiva geral durante todo o tempo da epidemia do COVID-19. Atenção especial deve ser dada a objetos que são freqüentemente tocados, como alças, botões do elevador, corrimãos, interruptores, maçanetas, etc. A equipe de limpeza deve ser instruída de acordo.

Como parte do plano de ação de estabelecimentos de acomodações turísticas para COVID-19, deve haver um plano especial de limpeza e desinfecção para situações em que há hóspedes doentes ou funcionários que ficam no estabelecimento ou identificados com o COVID-19 dentro de alguns dias após deixarem o estabelecimento. Recomendações por escrito para limpeza e desinfecção aprimoradas devem descrever os procedimentos operacionais aprimorados para limpeza, gerenciamento de resíduos sólidos e uso pessoal equipamento de proteção (EPI).

Devem ser implementados para salas ou áreas específicas expostas a casos COVID-19:

    • Quaisquer superfícies que se tornem sujas com respiração, secreções ou outros fluidos corporais da(s) pessoa(s) doente(s), como por exemplo sanitários, lavatórios e banheiras devem ser limpos com uma solução desinfetante doméstica comum contendo hipoclorito de sódio a 0,1% (que é equivalente a 1000 ppm). As superfícies devem ser lavadas com água limpa 10 minutos depois da desinfecção com a solução.
    • A equipe de serviço pode precisar de treinamento adicional na preparação, manuseio, aplicação e armazenamento desses produtos, principalmente os alvejantes, que podem estar em maior concentração do que o habitual. A equipe de limpeza deve saber como garantir que o alvejante não tenha se desintegrado após a diluição (verificar ficha técnica de cada produto) e como enxaguá-lo após 10 minutos.
    • Quando o uso de alvejante não é adequado, como por exemplo em aparelhos de telefone, equipamento de controle remoto, maçanetas, botões no elevador, etc., então álcool 70% pode ser usado.
    • Sempre que possível, use materiais e produtos de limpeza descartáveis. Descarte qualquer equipamento de limpeza feito de panos e materiais absorventes, como esfregões e panos de limpeza. Quando pertinente, desinfete adequadamente materiais de limpeza não porosos com uma solução de 0,5% de hipoclorito de sódio ou de acordo com instruções do fabricante antes de usar para outros quartos.
    • Têxteis, roupas de cama e roupas devem ser colocados em sacos especiais de roupa marcados para a lavanderia e manuseados cuidadosamente para evitar levantar poeira, com consequente potencial contaminação de superfícies ou pessoas ao redor. Devem ser dadas instruções para lavá-las em água quente com ciclos (70ºC ou mais) com os detergentes habituais. Todos os itens usados devem ser manuseados adequadamente para reduzir potencial risco de transmissão. Itens descartáveis (toalhas de mão, luvas, máscaras, tecidos) devem ser colocados em um recipiente com tampa e descartados de acordo com o plano de ação do hotel e com os regulamentos para gestão de resíduos.
    • Em geral, as áreas públicas por onde um caso confirmado de COVID-19 tenha passado ou em que tenha permanecido um tempo mínimo (corredores) não precisa ser especialmente limpo e desinfetado.
    • As equipes de limpeza devem ser treinadas no uso de EPIs e higiene das mãos imediatamente após remover o EPI e quando o trabalho de limpeza e desinfecção é concluído.
    • Todos os quartos e áreas comuns devem ser ventilados diariamente.

Monitoramento de hóspedes com sintomas

A equipe de governança e de limpeza devem informar a gerência, administração ou a recepção de quaisquer incidentes pertinentes, incluindo hóspedes possivelmente doentes em seus quartos. Eles devem tratar todas essas informações com discrição.

Disponibilidade de materiais

A equipe de limpeza deve receber equipamento de proteção individual e ser treinada em seu uso, conforme listado abaixo:

    • Luvas
    • Macacões descartáveis
    • Sapatos fechados
    • Se estiverem executando procedimentos que gerem respingos (por exemplo, ao lavar superfícies), adicione proteção facial e aventais impermeáveis.

Eles também devem ter acesso a desinfetantes suficientes, soluções e outros suprimentos.

Programas de limpeza de quartos opcionais

Todos os programas em que os hóspedes podem voluntariamente renunciar a serviços de limpeza devem ser suspensos para a maximização das condições e ambientes de saúde, segurança dos funcionários e hóspedes do hotel.

POLÍTICA DE SEGURANÇA DOS HÓSPEDES

Gerenciamento de Casos

Recomendações gerais

Se um hóspede ou funcionário desenvolver sintomas de infeção com insuficiência respiratória aguda, todos os esforços para minimizar o contato da pessoa doente com todos os hóspedes e funcionários do estabelecimento devem ser feitos imediatamente. A recepção ou outros funcionários do hotel devem seguir os procedimentos do plano de ação para a situação em que um hóspede desenvolve sinais e sintomas indicativos de COVID-19.

      • Separe a pessoa doente das outras pessoas em pelo menos 2 metros de distância.
      • Se a situação exigir e a pessoa doente puder ser transferida para um estabelecimento médico, a administração deve considerar tomar todas as medidas relevantes para que a pessoa doente seja atendida de maneira adequada. Isso pode incluir a necessidade da designação de um membro da equipe com treinamento em infecção, prevenção, controle, uso dos EPIs e com conhecimento das políticas e medidas para funcionários, caso desenvolva sintomas pós-atendimento de um hóspede doente.
      • Se possível, designe um banheiro para uso somente pela pessoa doente.
      • Solicitar que a pessoa doente use uma máscara médica e pratique higiene respiratória ao tossir e espirrar. Se a pessoa doente não puder tolerar a máscara médica, forneça tecidos para cobrir a boca e descarte o tecido imediatamente em um saco de resíduos para descarte de risco biológico. Se não houver saco de resíduos para a eliminação de risco biológico disponível, coloque em um saco plástico intacto, feche-o e considere-o como saco de resíduos de risco biológico; lave as mãos com água e sabão ou solução à base de álcool.
      • Caso a pessoa doente não possa usar uma máscara, contato direto deve ser evitado a menos que utilizando pelo menos macacão descartável, luvas, máscara e proteção para os olhos.
      • Ao atender um hóspede doente ou um funcionário que esteja vindo de uma área afetada, que apresente febre, tosse persistente ou dificuldade em respirar, sempre use equipamento de proteção adicional (fornecido no Kit Universal para Precauções), incluindo máscara, proteção para os olhos, luvas e um macacão descartável.
      • Remova o EPI com cuidado para evitar contaminação em você mesmo. Remova primeiro as primeiras luvas e o macacão descartável e faça a higiene das mãos; Em seguida, remova a máscara e a proteção para os olhos e lave imediatamente as mãos com água e sabão ou use uma solução à base de álcool.
      • Descarte adequadamente as luvas e outros itens que tiveram contato com os fluídos corporais da pessoa doente em saco de risco biológico ou em saco plástico seguro, que serão considerados resíduos de risco biológico.

Em caso de funcionários afetados

Se um membro da equipe relatar sintomas de problemas respiratórios, o trabalhador deve interromper imediatamente o trabalho e procurar assistência médica. A equipe deve ficar isolada em uma sala adequada enquanto o serviço médico está sendo notificado.

O trabalhador sintomático deve receber tecidos descartáveis e uma máscara que deve ser usada quando outras pessoas estão presentes ou quando precisar ir para áreas comuns.
Funcionários que informam de casa que estão doentes com sintomas de problemas respiratórios devem ser instruídos a permanecer casa e procurar atendimento médico.

Funcionários que informam de casa que foram diagnosticados com COVID-19 devem seguir as instruções recebidas do médico, incluindo a recomendação de auto-isolamento em casa até os sintomas desapareceram completamente.
Nota: para um paciente COVID-19 passar por uma forma leve da doença e se recuperar totalmente leva cerca de um mês.

Em caso de hóspedes afetados

Se a pessoa afetada for um hóspede de estabelecimento de alojamento de turismo, a permanência da pessoa doente no estabelecimento não é recomendada. A pessoa pode ser isolada temporariamente em um quarto até a intervenção das autoridades locais de saúde, e desde que o quarto não seja compartilhado com outros hóspedes. Nenhum hóspede ou visitante deve ter permissão para entrar no quarto ocupado pelo hóspede afetado.

Dependendo da disponibilidade de quartos, os acompanhantes, caso haja algum, devem ser transferidos para quartos diferentes.

Funcionários de estabelecimento de hotelaria e turismo que participam na evacuação de um caso suspeito:

      • Para minimizar o risco de contaminação de outros hóspedes ou membros da equipe, hóspedes sintomáticos devem sair do hotel de acordo com as instruções da gestão do estabelecimento e da autoridade local de saúde. Casos sintomáticos suspeitos serão avaliados quanto à sua condição e, se cumprirem os sintomas positivos, serão transferidos para o estabelecimento de saúde designado.
      • A gestão dos possíveis contatos dos hóspedes doentes devem ocorrer de acordo com instruções da autoridade local de saúde pública. A autoridade sanitária local deve atualizar rapidamente a autoridade sanitária regional ou nacional sobre os resultados dos exames e se outras ações devem ser tomadas.
      • Os funcionários envolvidos no transporte do caso suspeito devem aplicar os protocolos de prevenção e controle de infecção de acordo com as orientações da OMS. Eles devem realizar a higiene das mãos e usar máscara rotineiramente, usar proteção para os olhos, luvas e macacão descartável quando auxiliando pacientes suspeitos de COVID-19 para transporte na ambulância. As mãos devem ser lavadas com água e sabão antes de colocar o EPI e depois removê-lo.
      • Se mais de um caso suspeito estiver sendo transportado, funcionários e equipe de saúde devem mudar de EPI entre cada paciente para evitar possíveis contaminações cruzadas entre os casos suspeitos de COVID-19. Devem descartar adequadamente os EPI usados em recipientes com tampa de acordo com o plano de ação do hotel e regulamentos nacionais para resíduos infecciosos.
      • O motorista da ambulância deve ficar separado dos casos. Nenhuma proteção é necessária se um existir uma separação física entre o motorista e o caso suspeito. Se possível, o motorista não deve ser envolvido no carregamento do paciente na ambulância. Se ajudar no carregamento do caso suspeito de COVID-19, o motorista deve usar EPI, incluindo máscara, luvas, macacão descartável e proteção para os olhos.
      • Ambulância ou veículos de transporte devem ser limpos e desinfectados com atenção especial às áreas em contato com o caso suspeito. A limpeza deve ser feita com solução desinfetante doméstica regular contendo hipoclorito de sódio a 0,5% (ou seja, 5.000 pm de cloro equivalente ou 1 parte de lixívia doméstica contendo 5% de hipoclorito de sódio para 99 partes de água). Após o alvejante permanecer em contato com a superfície por pelo menos 1 minuto, pode ser lavado com água limpa. Como alternativa ao alvejante, ambulâncias podem usar desinfetantes hospitalares de acordo com as diretrizes do fabricante.
      • A gerência do hotel deve dar acesso à governança para limpeza e desinfecção do quarto ocupado pela pessoa doente em conformidade com o plano de ação, seguindo os protocolos de limpeza e desinfecção. Caso isso não seja possível, a camareira(o) de plantão deve ser instruída(o) a limpar e desinfetar o quarto ocupado pela pessoa doente, seguindo os protocolos de limpeza e desinfecção de quartos ocupados por casos suspeitos de COVID-19 observando todas as medidas de proteção individual.

Se não houver outra opção a não ser suspeitar de um hóspede doente do COVID-19 com sintomas leves, auto-isolamento no quarto deve ser considerado. As visitas de médicos devem ser realizadas sempre que possível no quarto da pessoa doente, evitando a necessidade do paciente ir ao consultório médico.

Um hóspede doente com suspeita de COVID-19 deve permanecer em um quarto individual, exceto no caso de crianças ou pessoas com necessidade de cuidadores. A pessoa doente não deve receber visitantes, ou se o fizerem, serem limitadas ao que é estritamente necessário. O hóspede deve receber comida no quarto. As pessoas doentes não devem dividir o banheiro com outras pessoas nem devem compartilhar toalhas, cobertores ou qualquer tipo de roupa com seus cuidadores.

Os cuidadores devem adotar medidas cautelares rigorosas, incluindo o uso de EPI, sempre que se aproximarem ou tiverem contato direto com a pessoa doente. O quarto deve então ser organizados para permitir o uso adequado de EPI e, de área separada, para descarte de EPI usado / contaminado.

O médico responsável pelo caso deve informar parentes e acompanhantes sobre as medidas de controle de infecção que eles devem adotar.

Apenas uma pessoa deve cuidar de pessoas doentes. Mulheres grávidas ou outras pessoas com alto risco de desenvolver doença grave causada pelo COVID-19 não devem ser cuidadores.

Os cuidadores devem auto-monitorar a aparência de sintomas, especialmente febre e tosse, e receberem assistência médica se esses sintomas aparecerem.

A roupa do paciente doente, bem como a roupa do quarto que ele ocupa, devem ser lavadas seguindo as instruções e procedimentos habituais. Como medida de precaução, esses itens devem ser armazenados e transportados em sacos selados.

Nota: A gestão do hotel e estabelecimento de alojamento turístico não tem autoridade para forçar hóspedes doentes a permanecem temporariamente no quarto ou para impedir que este hóspede receba visitas de outros convidados.

Identificação e gerenciamento de contatos

A identificação dos contatos devem começar imediatamente após um caso suspeito ter sido identificado no estabelecimento. A OMS define como contato uma pessoa que tenha experimentado qualquer uma das seguintes exposições durante os 2 dias anteriores e os 14 dias após o início dos sintomas de um caso provável ou confirmado:

      • Contato direto com um caso provável ou confirmado à uma distância de 1 metro e por mais de 15 minutos;
      • Contato físico direto com um caso provável ou confirmado;
      • Atendimento direto a um paciente com caso provável ou confirmado;
      • Doença COVID-19 sem o uso adequado de EPI; OU
      • Outras situações indicadas pela avaliação de risco local.

No contexto de um hotel ou estabelecimento de alojamento de turismo, um contato pode ser considerado como:

      • Acompanhantes de hóspedes ou pessoas que prestam cuidados que tiveram contato próximo com o caso suspeito;
      • Funcionário designado para cuidar das pessoas doentes e outros funcionários que possam ter estado em contato próximo com as pessoas doentes ou em instalações que eles usaram (por exemplo, banheiro) ou seus artigos (por exemplo, roupa e roupa de cama).

Se a gravidade dos sintomas ou a ocorrência numerosa de casos indicarem uma exposição mais extensa no estabelecimento, uma avaliação mais completa juntamente com as autoridades locais de saúde deve ser realizada.

A OMS recomenda que todos os contatos dos pacientes com COVID-19 devem ficar em quarentena por 14 dias a partir da última vez em que foram exposto ao paciente. Se um contato desenvolver sintomas, este deverá usar uma máscara médica, será considerado caso suspeito, e tratado como tal.

Outros hóspedes e funcionários que não atendam os requisitos da definição de contato podem ser considerados como tendo exposição de baixo risco e podem ser aconselhados a tomarem as medidas de precaução. Estas medidas de precaução podem ser modificadas e adaptadas às avaliações de risco realizadas pelas autoridades de saúde pública.

Hóspedes não afetados

Hóspedes não afetados são pessoas consideradas como tendo exposição de baixo risco. Eles devem receber informações sobre a doença, sua transmissão e medidas preventivas. Devem ser solicitados a realizar o auto-monitoramento dos sintomas de COVID-19, incluindo febre, tosse ou dificuldade em respirar por 14 dias a partir da data de partida do caso confirmado do hotel ou estabelecimento de hospedagem turísticas. Se, dentro do período de 14 dias, desenvolverem sintomas indicativos de COVID-19, eles devem se auto-isolar imediatamente e entrar em contato serviços locais de saúde.

Fornecedores de produtos e serviços

Empreiteiros e fornecedores de bens e serviços devem seguir sistemas de trabalho seguros e terem sistemas em vigor para a prevenção da propagação do COVID-19.

Fechar
×

Omnibees - Intelligent Hotel Distribution
Reservar Agora